Netflix se recusa a cobrar taxa de usuário imposta por Temer

Na Califórnia, em meio a um evento da Netflix, em que anunciaram seus lançamentos, o CEO de streaming, Reed Hastings, garantiu que mesmo o Governo brasileiro aumentando os impostos e sua quantidade, não haverá repasse do mesmo aos clientes.

O novo imposto, para a coleção do Brasil, foi nomeado ISS, que consiste na cobrança de Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, foi sancionado como lei complementar no final do ano passado pelo presidente Michel Temer, no intuito de cobrar 2% de taxas de plataformas online de transmissão (tanto vídeo como áudio). Uma observação: o Diário Oficial da União, prevê a ISS na “disponibilização, sem cessão definitiva, de conteúdos de áudio, vídeo, imagem e texto por meio da internet”.

Presidente Michel Temer

“Nós vamos pagar o ISS e não será repassado aos nosso clientes. Estamos no Brasil há cinco anos e pagamos os tributos. Faremos o mesmo. Não haverá aumento na mensalidade” afirmou Reed.

O grande propósito da empresa não repassar a cobrança é que a América Latina, em principal o Brasil, é foco em investimentos, um país estratégico. A jogada é a produção de séries por aqui, como o seriado de comédia Samantha. “Estamos investindo maciçamente na América Latina e no Brasil” complementa.

 Em finalização, ele garantiu que seus clientes brasileiros estão felizes sem os anúncios, e que não há possibilidade de mudar esse modelo.

Deixe uma resposta